quinta-feira, 3 de outubro de 2013

20 Dicas Para Deixar-la Ainda Mais Apaixonada

Ao contrário do que muitas pensam, deixar uma mulher ainda mais apaixonada não é uma tarefa difícil. Aliás, não será difícil se você estiver a fim. Toda mulher gosta de atenção... gosta de se sentir especial... ÚNICA!!! Mas se acha que esta tarefa termina quando começam a namorar? Ta muito enganada e certamente corre grandes riscos de perdê-la... A paixão é uma fogueira que pra manter sua chama acesa necessita de brasa e mais lenha... É a falta desta "lenha" que faz muitos relacionamentos cair na famosa "rotina" e quando o casal se dá conta já viraram meros amigos...


Veja algumas dicas simples já já fazem bastante diferença:



1. Quando for vê-la, faça com entusiamo. Não fique esperando no carro, na bicicleta ou no portão. Entre e mostre o quando estava sentindo a sua falta.
2. Beije na linha dos ombros quando ela se virar para dormir.
3. Ponha seu braço ao redor de sua cintura enquanto conversa com os amigos aproveite para afagar seus cabelos.
4. Pegue sua mão em momentos especiais e beije-a.
5. Ligue para ela quando estiver triste ou no meio do dia só pra dizer que queria escutar a sua voz.
6. Peça uma foto sua para colocar na carteira ou pra olhar quando bater saudade.
7. Tomem banhos juntas. E aproveite o momento pra fazer carícias em seu corpo.
8. Faça amor num lugar inesperado e de uma forma inesperada ou pouco habitual.
9. Arrume um apelido carinhoso para ela.
10. Quando ela se sentir insegura, olhe a fixamente aos olhos e diga que não há ninguém no mundo que possa ser tão perfeita para ti como ela.
11. Trate desesperadamente de fazê-la rir quando estiver chateada.
12. Leve-a ao show de sua banda favorita. Preste mais atenção nela do que ao show.
13. Capriche no visual antes de vê-la.
14. Pergunte sobre o seu dia. E escute-a prestando atenção em tudo que diz.
15. Envie flores no aniversário de meses de namoro.
16. Pronuncie seu nome quando fizerem amor (algumas mulheres gostam).
17. Ofereça-se para arrumar algo que esteja quebrado.
18. Repare e ressalte quando ela usar algo novo ou mudar o penteado.
19. Coloque em prática alguma coisa romântica de de vez em quando.
20. Diga pelo menos uma vez na semana o quanto ela é linda e importante para você.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Gayzistas oficializam genocídio cultural contra cristãos no Brasil promovendo beijo gay em cultos evangélicos

Escrito por Luciano Ayan
1044933_521337084609754_2079381072_n
Em um site de Facebook intitulado Brasil contra Igreja Universal, o movimento gay deu o tom de sua campanha lançando a imagem ao lado. O site é baseado em fomentação de ódio contra religiosos, utilizando toda a gama discursiva neo-ateísta. Como sempre, neo-ateus e gayzistas aliam-se em todas as suas ações contra a religião.
Como publiquei ontem, a esquerda começou a enviar seus zumbis funcionais para cultos evangélicos, de forma a constrangê-los e conseguir fazê-los ficar na defensiva. Assim, os ambientes reservados a evangélicos serão aos poucos invadidos por gays funcionais que irão se beijar nestes ambientes.
Os líderes evangélicos ainda não perceberam o que está ocorrendo, mas o estudo da dinâmica social da guerra política pode nos ajudar a entender qual o objetivo disso tudo.
Simplesmente, a esquerda, utilizando seus grupos militantes (em especial, os gayzistas), resolveu praticar genocídio cultural contra os cristãos. Para entendermos melhor o que isso significa recomendo a leitura de Genocide in Rwanda: The Role of the Media in Confusing Public Opinion and Encouraging the Killings, de Virginia de La Guardia. Também recomendo a leitura dos verbetes sobredemonização e desumanização, da seção Propaganda, deste blog. Por fim, recomendo o livro Less Than Human, de David Livingstone Smith.
A fase atual do jogo da esquerda contra os cristãos já não é mais a demonização (que os neo-ateus tem feito com talento inacreditável desde 2004), mas a desumanização. A demonização implica no lançamento de culpa sobre os adversários de forma a fazer a população odiar este grupo. A desumanização implica em cravar no subconsciente da patuleia que seus adversários são “menos que humanos”, e, portanto, não há problema em exterminá-los. A nossa espécie é motivada a proteger a própria espécie, mas pode perder essa empatia se sentir que um grupo social é “menos humano” que o outro. Foi assim que toda uma população achou normalíssimo ver pessoas indo para campos de concentração na Alemanha nazista, Rússia, China e Camboja.
Genocídio cultural é o extermínio de todos os traços de uma cultura, fazendo com que o grupo alvo perca a sua identidade, através de vários tipos de violência, desde a violência psicológica até a violência física, sempre endossado por propaganda. Nota-se que se a demonização é útil para o genocídio cultural, a desumanização é essencial.
E como funciona o processo? É simples até demais. É preciso, com diversos atos, demonstrar que seu oponente é “menos humano”, portanto não deve receber os mesmos direitos dados aos demais humanos. Foi exatamente assim que muitos negaram aos judeus os direitos dados aos demais cidadãos na Alemanha nazista.
Essa frase é chave para a demonização no contexto da prática de genocídio cultural: “menos que humano”. Qualquer campanha de genocídio cultural que não lute para implementar este conceito (mesmo que de forma implícita) na mente da patuleia não é uma prática de genocídio cultural puro-sangue.
Para implementar a ideia de que o grupo oponente é “menos humano”, então, é preciso gravar no subconsciente do público a noção de que os direitos básicos, válidos para todos os seus oponentes, não valem para o grupo alvo. E é exatamente isso que o movimento gay está fazendo.
Vejamos. Alguém pode ir à Passeata Gay e dizer que o homossexualismo é uma aberração? Não, não pode. Alguém pode obrigar os membros de um grupo de estudos intitulado “Fundação Richard Dawkins” a serem vítimas de baderna de teístas? Não, não pode. Por que essas pessoas devem ser respeitadas de acordo com a lei? Por que, obviamente, são seres humanos que merecem ter seus direitos respeitados. E, então por que os cristãos que estão em um culto não podem ser respeitados da mesma forma? Por que aqueles que são “menos humanos” não merecem o mesmo direito que os demais humanos. Esta é a ideia abominável por trás da maioria das ações recentes de gayzistas contra os religiosos.
Quando um site com mais de 160 mil usuários (que eu citei no início deste post) conclama as lésbicas para irem se beijar nos cultos de Marco Feliciano, estão oficialmente declarando que a lei que protege os praticantes de um culto de serem vítimas de escárnio durante suas cerimônias não precisa ser aplicada, pois aqueles declarados como “menos que humanos” não merecem os mesmos direitos que os demais humanos.
Quando um casal de gayzistas praticou ofensa, agressão e intimidação contra Marco Feliciano em um voo, estavam subcomunicando a seguinte mensagem: “Ele é religioso. Pior ainda, é um líder religioso. Portanto, as leis civis não devem protegê-lo.” Isto significa gravar no subconsciente da patuleia que seu oponente é “menos que humano”, e esta é uma parte essencial da campanha de desumanização, que tem sido usada como forma de genocídio cultural contra os cristãos.
Esses são os guidelines para os grupos que estão nessa linha de ação:
  • Quebrar a lei para atingir o inimigo político
  • Agir, com encenações diversas, de modo a fazer parecer que seu ato não é apenas normal, mas necessário
  • Encenar espanto quando qualquer pessoa tentar lhe interromper em suas ações de quebra de lei
  • Conseguir endosso público para suas ações de quebra da lei. (Quanto mais uma parte da patuleia gritar “E foi pouco, deviam ter feito mais!” pontos são conquistados neste jogo)
  • Tratar aqueles que quebraram a lei como “vítimas”
  • Tratar as vítimas da ação como “culpados” por todos os atos que sofreram (A idéia é marcar espaço na mente da patuleia como se a ação de ataque fosse “justa” ou “merecida”)
Essas regras tem sido seguidas a risca por boa parte do movimento gay recente e agora estão sendo arquitetadas, via redes sociais, para se tornar um padrão.
Enquanto isso, muitos estão indignados e citam, diante dos meliantes, o Art. 208, que diz: “Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”.
Mas isso significa apenas citar a lei para o seu ofensor, quando na verdade ele está exatamente quebrando a lei para gravar na mente da plateia que a lei não vale para você. Se ele não quebrar a lei, vai perder a parte mais importante da desumanização, que é demonstrar o inimigo como “não merecedor do mesmo direito que os demais humanos”.
A questão não está entre quebrar ou não a lei. Mas sim em quebrar a lei, não ser punido e ainda conseguir, via propaganda, demonstrar que esse ato é legítimo e respeitável, pois assim ele conseguirá fazer seu oponente ser percebido como “menos que humano”, e, portanto, definitivamente eliminado do jogo político.
Espero que os evangélicos usem essa última chance de perceberem a gravidade da situação. Os adversários deles, sejam neo-ateus, gayzistas e demais esquerdistas em geral, já estão em fase de jogar o jogo da desumanização, pois o objetivo é eliminar a participação dos religiosos da vida pública.
Ou os religiosos começam a reagir de forma assertiva (o que não significa agir com violência física, muito pelo contrário), ou então serão achincalhados quando reclamarem de serem vítimas de quebra da lei durante atos para atingi-los.
Hoje uma boa parte da população ainda consegue se indignar. Mas, a continuar por este caminho, em breve uma boa parte da população vai odiar as reclamações de religiosos quando estes reclamarem de que a lei seja quebrada contra eles. Nesta fase, o genocídio cultural terá sido concluído com sucesso.
A única forma de reverter o jogo implica em perder a ingenuidade política.

sábado, 24 de agosto de 2013

Crônicas do Amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magne

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.
tismo, por conjunção estelar.
Arnaldo Jabor

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Veja 8 hábitos para se tornar uma ótima namorada.


Que tal investir em algumas mudanças de comportamento e garantir a felicidade da sua parceira? O site AskMen listou 8 passos para se tornar a namorada perfeita, na busca por um relacionamento mais saudável e em uma maior reciprocidade. Confira.

Faça ela se sentir bonita: simplicidade e honestidade é tudo o que você precisa para manter sua namorada informada sobre o quanto ela é bonita. Em um cartão, você pode expressar seus sentimentos e mostrar que ela é a criatura mais linda que você já viu. Faça ela saber disso, pois isso irá fazer com que ela se sinta bem.
Desafie-a a ser alguém melhor: inspire sua namorada a fazer mudanças para melhorar na vida. Se você, por exemplo, acredita que ela tem um talento desperdiçado, incentive-a a investir nisso. Mostrar-se preocupada com o bem estar dela fará com que você ganhe pontos.
Seja alguém melhor: demonstre à sua namorada o quão positiva é a influência que ela exerce na sua vida. Tente entrar em forma, melhorar seu vocabulário, matricule-se em uma escola de dança junto com ela. O fato de você investir no seu autodesenvolvimento mostra que você quer oferecer o melhor para ela.
Respeite sua namorada e sua família: esteja aberta à opinião da sua namorada e da família dela também. Estar próximo dos familiares é uma das melhores formas de mostrar o quanto você pretende levar a sério seu relacionamento. Por isso, proponha atividades em que eles possam ser incluídos, como piqueniques ou jantares.
Esteja atenta aos detalhes: fique de olho: sua gata mudou o cabelo, emagreceu alguns quilinhos, apareceu com um novo vestido ou corte de cabelo? É importante que você note. A maioria das mulheres gosta que reparam nos detalhes, pois isso mostra que você é atenciosa com a relação.
Saiba agradá-la na cama: uma boa namorada busca satisfazer a sua parceira não pulando as preliminares, estando atenta às preferências dela e não dormindo no minuto seguinte ao ato. Cumprindo essas regrinhas, certamente você será retribuída.
Fuja da rotina: procure fazer com que as novidades e o desejo que existe entre vocês duas não desapareça com a previsibilidade do dia-a-dia. Mulheres gostam de ser surpreendidas, então cabe a você inventar uma viagem diferente, uma novidade na cama ou um bom vinho sem motivo aparente.
Seja uma boa ouvinte: uma boa namorada sabe ouvir. Mas, além disso, é importante mostrar interesse e se envolver na questão, não apenas ficar parado ouvindo e balançando a cabeça. Demonstre para ela que realmente está preocupada e tente ajudá-la.

terça-feira, 28 de maio de 2013

EU SEI, MAS NÃO DEVIA » Clarice Lispector

Ultimamente deixei o blog de lado até por falta de ânimo e estimulo... mas hoje ouvi algo tão interessante que não resistir em postar pra vcs...


Eu sei que nos acostumamos. Mas não devíamos.
Acostumamo-nos a morar em apartamentos de fundos, e a não ter outra vista
que não as janelas em redor.
E porque não temos vista, logo nos acostumamos a não olhar lá para fora.
E porque não olhamos lá para fora, logo nos acostumamos a não abrir de todo
as cortinas.
E porque não abrimos as cortinas logo nos acostumamos a acender cedo a luz.
E à medida que nos acostumamos, esquecemos o sol, esquecemos o ar,
esquecemos a amplidão….
Acostumamo-nos a acordar de manhã sobressaltados porque está na hora.
A tomar o café a correr porque estamos atrasados.
A ler o jornal no autocarro porque não podemos perder o tempo da viagem.
A comer uma sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque
já é noite.
A dormitar no autocarro porque estamos cansados. A deitar cedo e dormir
pesado sem termos vivido o dia…..
Acostumamo-nos a esperar o dia inteiro e ouvir ao telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem recebermos um sorriso de volta.
A sermos ignorados quando precisávamos tanto ser vistos.
Acostumamo-nos a pagar por tudo o que desejamos e o que necessitamos.
E a lutar, para ganhar o dinheiro com que pagar esses desejos e essas
necessidades.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagaremos mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que
pagar….
Acostumamo-nos à poluição.
Às salas fechadas, de ar condicionado e cheiro a cigarro. À luz artificial.
Ao choque que os olhos sofrem com luz natural.
Às bactérias na água potável.
Acostumamo-nos a coisas demais, para não sofrermos….
Em doses pequenas, tentando não perceber, vamos afastando uma dor aqui, um
ressentimento ali, uma revolta acolá….
Se a praia está contaminada, molhamos só os pés e suamos no resto do corpo.
Se o cinema está cheio, sentamo-nos na primeira fila e torcemos um pouco o
pescoço.
Se o trabalho está difícil, consolamo-nos a pensar no fim-de-semana.
E se no fim-de-semana não há muito o que fazer, deitamo-nos cedo e ainda
ficamos satisfeitos porque temos sempre o sono atrasado.
Acostumamo-nos para não nos ralarmos com a aspereza, para preservar a pele.
Acostumamo-nos para evitar feridas.
Acostumamo-nos para poupar a vida. Vida que aos poucos se gasta, e que gasta

de tanto se acostumar, e se perde de si mesma.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

LUTO - Santa Maria


Hoje já não existem palavras para descrever este sentimento de dor, revolta e indignação... choro por pessoas que não conhecemos... Sensação de impotência de não ter como ajudar... acalentar...

Hoje eu abro o blog depois de muito tempo com uma notícia nem um pouco agradável e que foge totalmente do assunto sempre tratado no blog.

Acho que já explanei todo meu sentimento refente a isso mais alguns depoimentos ainda ficaram na memória... algumas atitudes marcaram, como...
Como quando um pai ficou na porta da boate por mau pressentimento, e quando viu o acontecido tentou entrar pra salva-la e foi impedido por que não tinha pagado a entrada.
Ou... Como quando uma namorada foi acordada pelo bip do celular no meio da noite era uma mensagem dizendo : ‘’Estou morrendo , sei que não vou conseguir sair seja forte Te amo ‘’

Mas uma crônica me chamou atenção então vou finalizar esta postagem com ela...

Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça.

 
A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.
 
Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.
 
A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.
 
As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.
 
Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.
Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.
Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.
Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.
Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.
Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo?
O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.
A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.
Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.
Mais de duzentos e quarenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.
Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.
As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.
Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.
As palavras perderam o sentido.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Mercado é cego para potencial de consumo do público LGBT


População gay no Brasil chega a 18 milhões e marcas ainda estão cegas para agradar consumidores. Boa parte tem renda média de R$ 3.247,00 e 47% está nas classes AB


O potencial de consumo do público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) ainda não é explorado pelas marcas como poderia. Com uma população estimada em 18 milhões de pessoas no Brasil, 78% dos gays têm cartão de crédito e gastam até 30% mais em bens de consumo do que os heterossexuais. A renda elevada se explica pelas classes sociais em que estão inseridos: 36% pertencem a A e 47% a B, segundo pesquisa da inSearch Tendências e Estudos de Mercado.
Com uma média salarial de R$ 3.247,00 e uma estrutura familiar não-tradicional, boa parte sem filhos, os homossexuais têm mais oportunidades em consumir imóveis, carros e viagens. De acordo com a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes (Abrat-GLS), o perfil movimenta R$ 150 bilhões por ano no Brasil.
Cidades como o Rio de Janeiro, considerada uma das mais gay friendlys do mundo, investem em iniciativas para atender o visitante e fomentar o turismo. Uma estratégia realizada pela capital carioca foi a promoção de cursos de capacitação sobre a Lei de Direitos Civis e Humanos para donos e funcionários de estabelecimentos comerciais.
Apesar de bastante rentável, o setor turístico é apenas um entre diversos outros onde o público LGBT espera encontrar hospitalidade. "O primeiro passo das empresas é a exposição. Uma marca que se coloca como friendly ou que tem um produto específico tem que se mostrar dessa forma. Há um preconceito muito grande, mas muitas estão deixando isso de lado e partindo para o que interessa: negócio, desenvolvimento e faturamento", avalia Luiz Redeschi, empresário e organizador da Expo Business LGBT Mercosul, em entrevista ao Mundo do Marketing.
Quando mais é menos
O desenvolvimento de produtos, serviços ou ações de Marketing específicos para o público LGBT não precisam ser complexas e passar por grandes revoluções na forma de atuação. Iniciativas do Banco Itaú são exemplos de que geraram respostas positivas. A instituição vem dialogando nas redes sociais de forma natural com os gays. No Dia dos Namorados deste ano, um desenho no Facebook composto por um casal heterossexual teve agregado um casal de gays e um de lésbicas com a frase "Feliz Dia dos Namorados do Seu Jeito". Para a Parada Gay de São Paulo, uma das maiores do mundo com mais de três milhões de participantes, o Itaú também parabenizou a diversidade por meio da bandeira do movimento LGBT e da frase "A gente é laranja, mas é feito pra todas as cores".
De forma mais institucional, o banco também permite o financiamento imobiliário com duas pessoas solteiras do mesmo sexo em conjunto, mesmo que não haja relação de parentesco entre si. A possibilidade abre precedentes antes impensáveis pelos gays. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de legalizar a união estável, pesquisa realizada pela inSearch indicou que dos 58% que têm parceiro fixo, 19% deles pretendem comprar um imóvel financiado no nome do casal.
No setor imobiliário, a Tecnisa realiza desde 2003 ações voltadas para o mercado LGBT, como a campanha "Mais cedo ou mais tarde, vocês vão morar juntos". O anúncio trazia um varal com duas cuecas penduradas. A construtora se atentou para o mercado e, em 2010, percebeu que o ticket médio de homossexuais chegava a R$ 400 mil.
O diálogo entre as marcas e o público gay não precisa, necessariamente, ser direto, mas pontual. "Não é desenvolver um produto ou serviço, mas conversar bem. Existem empresas mais sensíveis a isso, que fazem um plano de comunicação excelente. A Fnac é um exemplo, assim como o Itaú e a própria Tecnisa. Ao falar com o público LGBT, esses grupos assumem que o mundo vive hoje uma grande diversidade", analisa Fábio Mariano, especialista em comportamento do consumidor e Diretor Executivo da inSearch.
Futuro promissor
Ainda que ações específicas para este target encontrem barreiras no mercado brasileiro, a tendência é que as marcas se adequem aos consumidores em potencial. Eventos como a Expo Business LGBT Mercosul, ocorrida pela segunda vez na semana passada no país, são iniciativas que ajudam as marcas a entenderem o perfil dos homossexuais.
Com 32 expositores, entre eles os governos de São Paulo, Pernambuco, Argentina e Uruguai, bem como de marcas voltadas para o turismo e outras como a Dell e a Brazilian Hospitality Group (BHG), o evento propõe o diálogo e a troca de experiências. "O principal aprendizado é que será inevitável não pensar em uma participação cada vez maior dos homossexuais no mercado. Ainda que poucas, as conquistas existiram do ponto de vista cível e até mesmo nas propagandas, hoje é quase inexistente uma novela que não tenha ao menos um gay. A comunicação das empresas terá que passar por mudanças", aponta Fábio Mariano.
As modificações, no entanto, não precisam necessariamente ser agressivas. Mais do que colocar uma bandeira colorida na porta, as empresas tem de captar a essência do desejo dos homossexuais. "Não adianta só querer investir ou vender um negócio apenas no papel. Tem que comercializar bem, saber conversar, respeitar e recebê-los bem. Caminhou-se muito, mas ainda há um longo período para caminhar. É a hora das empresas saírem do armário", afirma Luiz Redeschi. 

domingo, 8 de abril de 2012

Os benefícios da masturbação para a saúde sexual feminina



Os benefícios da masturbação para a saúde sexual feminina envolve melhorias ao nível sexual, ao aumentar o conhecimento dos limites e necessidades do próprio corpo, mas também traz benefícios ao nível psicológico, comportamental e inclusive cardíaco.

A masturbação ajuda a exercitar músculos, produzir secreções e manter viva a genitália feminina, podendo melhorar a resistência à candidíase, reduzir os sintomas de tensão pré-menstrual e aliviar dores menstruais e das costas ao aumentar o fluxo de sangue para a região pélvica.

A masturbação é uma forma natural de conhecimento do próprio corpo, através da auto-manipulação genital, objetivando o orgasmo. O orgasmo atingido através da masturbação não é diferente daquele da relação sexual compartilhada, tanto em intensidade e duração, como em qualidade e benefícios para o corpo.


Fonte:
Tua Saúde

sábado, 7 de abril de 2012

Saúde feminina: Vaginismo


Todos sabem que as mulheres são mais suscetíveis ao temperamento na hora de transar. Cansaço, stress, tristeza, podem influenciar a libido feminina com muita facilidade, e tirar por completo qualquer desejo sexual que possa aparecer. Mas há mulheres que mesmo sem esses atenuantes não costumam pensar em sexo, têm dificuldade em conversar sobre assuntos íntimos, e acabam sentindo dor ou ardência na relação sexual. Essas mulheres provavelmente têm vaginismo – e muitas delas nem sabem o que é isso.
Segundo o ginecologista e sexólogo Dr. Amaury Mendes Jr., vaginismo é uma contração dos músculos que circundam a vagina, causando uma falsa impressão de dor ou ardência, que acaba impedindo a penetração. O problema pode ser desenvolvido desde o início da vida sexual feminina, resultado de uma educação muito rígida e “puritana”, religiosidade exacerbada, e também devido à tentativa de abuso sexual. Ou ainda, se desenvolver no decorrer da vida sexual, após alguma forma de trauma relacionado ao sexo, medo excessivo de engravidar, etc.

Todos esses fatores somados acabam resultando em um problema que pode deixar muitas mulheres - e até mesmo casais – infelizes e insatisfeitos, ainda que não percebam a origem desses sentimentos. “Até porque, mulheres com vaginismo tendem a procurar homens bonzinhos que não insistam por sexo, e, de preferência, manipuláveis. Também podem buscar homens com homossexualidade latente ou educação rígida”, explica Dr. Amaury. Em outras palavras, estas mulheres – que costumam ter certo erotismo, quase infantil, com o marido, como forma de manter a relação – tomam cuidado com as escolhas como uma espécie de preservação, e para sentirem-se menos problemáticas, pois afinal de contas, têm um “homem” com a maioria.

A explicação para o vaginismo é bem simples. É só imaginar um assalto: algumas pessoas ficam traumatizadas, outras nem tanto. Mas pode ser que episódios sucessivos e recorrentes de assaltos criem crenças de que essas pessoas são azaradas. Desta forma passam a ter atitudes defensivas quando saem na rua ao invés de agirem de forma relaxada. Com o sexo é a mesma coisa. Uma experiência ruim, duas, três... “Será que é melhor parar de tentar?”

Inúmeras pesquisas mostram que essa disfunção feminina é mais comum do que se imagina, mas que, felizmente, há um alto percentual de cura. O problema é que existe um desconhecimento pelos profissionais de saúde que não têm paciência em tratar e conversar devido ao tempo apertado das consultas. Dessa forma, muitas mulheres, quando chegam ao profissional certo, já estão desacreditadas da própria cura.

Segundo o especialista, a melhor forma de tratar o vaginismo, e voltar – ou ainda aprender – a ser feliz com o próprio corpo, e com o sexo, é procurar um terapeuta sexual, que avaliará o quadro familiar (do casal ou da mulher) para entender todo o quadro que gerou, e sustenta essa situação. À medida que a terapia vai fluindo e as resistências vão caindo, inicia-se o processo de diminuição da sensibilidade da região vaginal (para acabar com a ideia de dor), com exercícios que são ensinados pelo medico para serem feitos em casa, por ela ou pelo casal. Também é interessante frisar que o tratamento é objetivo, breve e não dói.

“Trabalhamos por fora, comparando as negações para o sexo com a diminuição de prazeres com a vida, mas sempre com o foco no sexo. O objetivo é que a mulher tome uma atitude por iniciativa própria, afinal, não adianta simplesmente eu mandá-la usar um vibrador”, afirma o médico. Outra solução, já adotada em alguns consultórios, é o uso de eletroestimuladores vaginais: Um tratamento que estimula os músculos vaginais para que respondam mais rapidamente aos estímulos eróticos. “Desde, é claro, que estes sejam permitidos pela própria mulher, porque a primeira barreira é o cérebro”, frisa Mendes Jr.

O objetivo disso tudo, é fazer com que o dito “sexo frágil”, se liberte de toda a repressão quanto às atitudes sexuais que a sociedade impõe desde cedo, e sinta-se forte e à vontade para entender que o corpo é uma boa fonte de prazer. Afinal, sexo também é vida, faz bem a saúde, deixa feliz, queima calorias, libera endorfinas...

quinta-feira, 8 de março de 2012

Várias maneiras de superar um término de namoro‏

Em 1º lugar gostaria encarecidamente,  pedir desculpas pra todas as leitoras e leitores - é claro - deste blog... realmente não achei q alguém perdesse seu tempo com isso aqui, mas foi bom saber q não estou escrevendo em vão...rs
Bem... pra quem estava próximo sobe de alguns probleminhas pessoais q eu tive... Não! Eu não vou deixar os distantes na curiosidade..rs
Pra quem não sabe eu tava passando por uma separação e como muitas andei um pouquinho sem norte... acho q já estou conseguindo colocar minha cabeça no lugar agora... conversando com algumas leitoras vi que o problema que estava acontecendo comigo, na realidade acontece com todas... SE VOCÊ AINDA NÃO PASSOU,  COM CERTEZA IRÁ PASSAR!!! - Típica Ley de Murfey...rs - O pior é q é verdade...
Mas sim... Pensando nisso resolvi escrever sobre este assunto... já q por mais que não seja novidade, sempre q acontece nos vemos sem chão e parece q nada mais terá solução... Não é?


“Primeiramente, queria que todos soubessem que esse post foi escrito por alguém que já teve, acabou de ter e ainda terá muitas vezes, um coração partido. Sim! Eu achei uma garota legal. No meio daquela solidão toda, finalmente, depois de conversas, beijos, carinhos, brigas e reconciliações, eu achei uma garota legal que me fazia sentir especial. Depois de tanto procurar, quebrar a cara, sofrer e chorar, eu finalmente achei uma garota legal. Ou pelo menos era isso que eu pensava.
A garota era uma piiiii... (local impróprio para palavrões), como todos as outras. Não entendi o motivo, e nem sei se vou entender um dia, mas…Por que é tão difícil ouvir um “não” sincero, de uma mulher? Qual é a dificuldade em dizer: “Olha, eu nem estou tão afim de você assim, por isso, não espere nada e nem faça nada por mim, pois eu não vou corresponder.”. É sexo que elas querem? Querem nos fazer sentir únicas pra conseguir sexo? Nunca vou saber. Mas também não acho que devo me trancar a 7 chaves, só para descobrir isso. A gente tem que deixar rolar, de acordo com nossa vontade, e principalmente: saber a hora de parar.
Essa é a primeira etapa do processo de cura de um coração partido:

1- Saber a hora de parar

Sou a favor de pessoas sensíveis que pensam com o coração mas não podemos ser burros. Pense nos fatos, coloque tudo numa balança. Você faz tudo pela guria e ela não faz nada por você? Não sacrifica nenhuma vontade, não mexe nenhum palito para te ver, nunca te da oi no msn e só espera que você ligue a convidando para sair e ela diga sim? Ou, pior…Te diz vários nãos, mas você a vence pela insistência? Ok, verifique os sinais com a cabeça (não com o coração) e saiba a hora de parar. Não se humilhe, nem chegue perto disso. Todo mundo tem que ter o mínimo de dignidade, e saber quando deve dar um basta na situação. Se uma guria te deu um bolo, depois que o relacionamento se tornou físico, é porque ela não te leva a sério. Aceite isso e trate ela da mesma maneira, se não, pare. Ninguém nunca dará valor a pessoas fracas, que ficam correndo desesperadamente atrás de alguém.

2- Cortar todos os laços

Ok, chegamos a conclusão de que esta na hora de parar mas…Como fazer isso? É simples, porém não é nada fácil. Quando a guria perceber que você desistiu dela e esta tentando partir pra outra, ela vai te ligar pra pedir desculpas ou apenas pra te chamar pra sair, como se nada tivesse acontecido – se ela não fizer isso, melhor ainda, será mais fácil desencanar da vaca – mas como é quase 100% certo de que ela o faça, não dê chances para isso acontecer. Delete e bloqueie no msn, tire do orkut, facebook, dê unfollow no twitter, segure as pontas para não olhar o que ela anda fazendo, delete o número do celular para não ligar pra ele quando estiver bêbada e esconda TUDO que liga ela a você. (não fique com dó, vocês podem voltar a ser amigas um dia, mas na fase de “abstinência” ela tem que sumir do mapa pra você)

3- Se distrair

Sim, essa é uma das partes mais difíceis. Você foi forte o bastante para cortar todos os laços, mas chegou aquela sexta feira em que sua única vontade é ligar pra guria e falar pra ela ir na sua casa pra vocês ‘fazerem nada juntas’. Mesmo se todas as melhores baladas estiverem rolando, eu entendo que você trocaria tudo para estar com ela mas NÃO. Tente não pensar nisso. Se distraia. Vá fazer coisas que você deixa pra depois há anos. Aceite o convite daquela gatinha mala que te xaveca toda hora no google talk. Saia com sua amiga e a namorada dela, ligue pros amigos que você se afastou e chame-os para uma cervejinha costumeira. Alugue filmes, desenhe, ouça músicas que te lembram coisas boas, chame seus pais pra jantar, faça o que quiser mas..Se distraia, faça qualquer coisa que não te faça pensar nela. Quando se pegar pensando, aprenda a controlar seu pensamento e diga: “Não, não é nela que eu vou pensar. Vou pensar em ___________” (complete com algo do seu interesse).

4- Não comparar

Esse é um estágio mais avançado, depois que você já conheceu outra pessoa (mas continiua apaixonada pela vaca que te partiu o coração). Você conheceu uma gatinha legal, bonitinha, que te da valor, te faz rir, é boanzinha mas... Putz, ele não faz “tal coisa” que o fulano fazia. PARA! Para agora! Não compare o fulano com o atual. Por mais que o atual não pareça ser tudo isso, dê uma chance a ela. Tente lembrar que as pessoas são diferentes, que cada um tem qualidades e defeitos, e tente enxergar o que a fulaninha nova tem de bom. Se não funcionar, parta pra outra. Se não funcionar, parta pra outra. Se não funcionar, parta pra outra mas saiba que não há nada de errado em estar sozinha.

5- Solidão pode fazer bem!

Eu entendo que ninguém quer ficar sozinha depois de um coração partido mas…As vezes é preciso ficar sozinha pra melhorar. Se conhecer, aprender a se dar valor (porque se você não se der valor, ninguém mais vai dar) e entenda que estar sozinha pode ser uma coisa boa. Quando você se pega num momento em que está feliz sem ninguém, você chega a conclusão de que estar sozinha não é o fim do mundo. Eu mesma precisei ficar muito tempo sozinha pra perceber isso. Quando vi que me bastava, que me gostava e que era feliz e auto-suficiente mesmo estando sozinha, foi uma das melhores coisas que já me aconteceram. Então, se dê a chance de ser feliz com você mesmo. Isso te deixa mais bonita, mais alegre, engraçada, ressalta todas as qualidades que você tem e…Todo mundo sabe que alto astral chama alto astral né? Ninguém vai querer pessoas que ficam choramingando pelos cantos porque estão sozinhas. Pessoas fracas só atraem pessoas erradas. Fique bem com você mesmo para estar bem com o resto do mundo, auto-estima é o caminho.
Se você falhar em alguma dessas 5 etapas, não tem problema. Volte ao início e faça tudo de novo. É preciso ser forte. Se a guria realmente te quiser, ela vai dar um jeito de falar com você nem que seja indo até a sua casa, levando flores e gritando pra rua inteira ouvir o quanto ela te ama. E mesmo se ela fizer isso, cuidado, ela pode estar mentindo. Tem gente que vai muito longe para conseguir o que quer. Só o tempo diz se as pessoas mudaram ou não, tomem cuidado e se bastem sozinhos.
Ps. escrevi esse texto direcionado para as mulheres, mas também existe muita mulher cachorra por aí. Todo mundo gosta de ter o ego inflado por alguém e as vezes é difícil perder essa garantia de relacionamento. Então dedico esse texto não só as mulheres, mas a todos os apaixonados incuráveis, que ainda acreditam que encontrarão alguém que realmente valha a pena. Enquanto não achamos a pessoa certa, vamos nos divertir e aprender com as erradas. Não deixe se abater por um coração partido, ele não é o primeiro e nem será o último.”
Bem... espero ter ajudado um pouquinho vcs... pois isso esta me ajudando e muito... Beijos meus amores!!!


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Notícia tirada do site da Bol

Daniel é oficialmente expulso do BBB12; Pedro Bial confirma saída durante programa ao vivo

Daniel e Monique

A TV Globo confirmou em nota oficial que o o modelo Daniel, de 31 anos, foi eliminado do BBB12, na noite desta segunda-feira (15). O "ex-BBB" é suspeito de estuprar a participante Monique, dentro da casa do BBB 12, no último domingo (15). De acordo com a nota publicada pela emissora, o modelo foi expulso do programa "devido a um grave comportamento inadequado". Mais tarde, durante a edição ao vivo, Pedro Bial confirmou a informação de que Daniel foi eliminado, mas não deu detalhes sobre o caso. Na mesma nota, a emissora disse que o caso passou por uma grande investigação, antes que qualquer decisão fosse tomada. Nesta segunda-feira (16), Monique foi chamada por Boninho, diretor do Big Brother Brasil, para esclarecer os fatos ocorridos na noite anterior, após a festa realizada dentro da casa. A "sister" ficou mais de três horas dentro do confessionário sendo interrogada pela produção da emissora. Depois de ser liberada pela equipe do BBB, foi possível ver uma movimentação intensa entre os participantes, mas, como o audio do pay-per-view continuou cortado, não foi possível saber sobre o que os "brothers" estavam conversando. Desde então, Daniel não apareceu mais dentro da casa. Segundo o inspetor Paulo Villas Boas, chefe de investigação da 32ª DP (Taquara), uma equipe de investigadores foi ao Projac, na zona oeste carioca, nesta segunda-feira (16) para apurar o suposto estupro acontecido na festa do “BBB12” de sábado (14). Após a comemoração, Monique foi para debaixo do edredom com Daniel, os dois começaram a se beijar e o modelo teria abusado sexualmente da gaúcha enquanto ela não estava consciente.“Alguns investigadores da 32ª já estão no Projac para apurar o que aconteceu de fato. A Monique tem que ser ouvida. E o Daniel também. E provavelmente isso vai acontecer lá dentro mesmo”, contou Paulo, que não informou quem prestou a queixa para eles darem entrada na investigação do caso.



Paulo acrescentou que a Polícia Civil só tomou conhecimento do fato nesta segunda-feira (16), através da imprensa. “Abrimos hoje uma investigação para apurar se houve ou não o possível estupro. Vale lembrar que o estupro de uma pessoa maior só existe se não houve o consentimento dela. Então é uma situação muito complicada, que precisa ser investigada”, afirmou ele. A versão de Monique: A participante Monique foi ao confessionário do "Big Brother Brasil 12" para falar sobre o suposto caso de estupro. Ela foi questionada sobre o ocorrido após a festa da madrugada de sábado para domingo, quando ela ficou com Daniel e teria sido abusada por ele. Vazou na web um trecho do áudio de Monique no confessionário. Não é possível ouvir as perguntas, mas Monique disse que não se lembra de nada, nem de ter deitado na cama com o Rafa --o suposto estupro teria acontecido quando ela, Daniel e Rafa dividiam a cama. Monique informou ainda que estava com "muito tesão". "Lembro a mão naquilo e aquilo na mão. Eu com muito tesão falando para ele sair e ele chegando. Agora sexo, não", narrou Monique. "Só se ele foi muito mau caráter de ter feito sexo comigo dormindo", afirmou. Ela respondeu ainda com que roupas dormiu. "Não lembro se dormi de shorts, mas acordei sem". "Lembro de eu acordando e o Daniel em outra cama", contou. O caso ganhou enorme repercussão fora da casa. No Twitter, o assunto continua entre os mais comentados quase dois dias após o ocorrido. O empresário de Monique divulgou uma nota oficial sobre o caso. Leia a íntegra: "Sobre o ocorrido na madrugada do dia 15 de janeiro após a festa, a família não tem nada mais a comentar sobre o fato, somente a própria Monique Amin pode falar sobre estes episódios e a mesma irá fazê-lo através de nota oficial na sua saída. Porém lamento muito o comentário postado no Twitter do sr. Sergio Mattos (agente do BBB Daniel) onde o mesmo de forma irônica escreve "e ela geme dormindo?" Somente num país onde a cultura machista ainda impera, podemos observar comentários inadequados como este."

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

1ª POST. DE 2012

Olá Flores do meu jardim...

Nossa 2012 chegou chegando e eu estou aqui sem muito tempo pra postar... confesso q tb estou passando por uns probleminhas pessoais q esta bloqueando minha cabeça pra novos post, então gostaria de me desculpar pela ausência e falta de novas postagens...

Porém tb tenho novidades, como não estou estou muito pra escrever uma das leitoras ficou de criar uma matéria, por tanto quem quiser enviar matérias interessantes é só enviar para meu e-mail q postarei aqui com seus respectivos créditos, ok?!


Bem por enquanto deixa eu mandar uma rapinha pra vcs:


BBB12 começou... o povo reclama mas todo mundo acaba assistindo... eu particularmente não ligo muito e se não tiver nada do meu interesse passando eu assisto sim, e confesso q dou muitas risadas. E falando em rizadas não posso deixar de comentar da Jack diretamente de Feira de Santana para o BBB12, esta baianinha carregada no sotaque mal entrou e já foi mandando suas pérolas:

- Aiii que saudade do Fabiano, quase eu desisto do bbb
- Quem é Fabiano? Seu Namorado?
- Não meu GALO!
-Vc tem um galo?
- Não, tenho 5

Depois ao ser indagada por Bial contou a história dos amores q mais sente falta:
O Galo Fabiano - A Galinha Nicole - E Paolo que estão na dúvida se é Paolo ou Paulete.
Ai meu Deus... coisas q só o BBB traz pra vc... kkkkk

Breve com certeza falaremos mais do BBB, mas não posso comentar tb da chegada do verão e o aumento de agito e badalação na minha Bahia!
Tem eventos pra todos os gostos e bolsos.

Festival de Verão com sua atração internacional como James Blunt logo no primeiro dia e na tenda eletrônica meus querido amigo Dj. Arthur



MADRE VERÃO

06 de Janeiro
sankofa
DJ Sankofa
LuluSantos
Lulu Santos
negracor
Negra Cor
07 de Janeiro
casuo2
Marcos Casuo
jauperi_pose_foto
Jau
imprensa-arquivo-1190
Jammil e Uma Noites
13 de Janeiro
Vander-Lee_foto-Levindo-Carneiro
Vander Lee
Cangaia_002 alta-resolucao
Cangaia de Jegue
14 de Janeiro
b083c2f3d58fc1bc05e9c36fca8b18bc2af10143
Carla Cristina
Cantor-Belo-Show-de-gravação-DVD
Belo
20 de Janeiro
O-Rappa
O Rappa
tatau
Tatau
21 de Janeiro
fantasmão
Fantasmão
harmonia-do-samba
Harmonia do Samba
27 de Janeiro
42293_1208458125
Nosso Sentimento
cidade-negra-acustico-mtv-original
Cidade Negra
28 de Janeiro
capital_inicial
Capital Inicial
todosop3
Opção 3



PROJETO MÚSICA NO PARQUE




Isso sem falar nos ensaios pré-carnaval... pois é minha gente...

O VERÃO CHEGOU!!!